2.08.2012

Qualidade de Vida - Alimentação

Boa alimentação garante saúde, beleza e equilíbrio Imprimir E-mail

Sabe aquele ditado popular que diz “Você é o que você come?” Basta olhar para o espelho todos os dias e ter uma boa resposta de como anda a nossa alimentação. Com o clima quente e abafado do verão, o corpo acaba transpirando excessivamente, o que causa a perda de sal, potássio e outros nutrientes, causando desidratação. Além da regra básica “ingerir de 2 a 3 litros d’água”, é essencial o consumo de alimentos que possam contribuir para uma vida mais equilibrada e saudável.

Entretanto, manter essa alimentação saudável no dia a dia é algo quase impossível. Com a correria e o excesso de trabalho, quase não sobra tempo para fazer refeições balanceadas - o que leva a maioria das pessoas a escolher os famosos “fast foods”.  O ideal, entretanto, é alimentar-se de carboidratos, proteínas e gorduras equilibradamente, preferindo refeições de boa qualidade (que utilizam azeite em detrimento do óleo de seja, por exemplo), pois além de garantir a saúde, a boa alimentação fica evidente nos cabelos, unhas e pele.

Os alimentos com ferro são essenciais: de acordo com o Blog Cultura & Sabor (http://culturaesabor.blogspot.com), pele sem vida, cabelos que não crescem, fios finos e frágeis, além de unhas fracas e quebradiças, costumam ser os primeiros sinais da deficiência de ferro na alimentação. Podemos encontrar ferro no feijão, nozes, folhas verde, como espinafre, couve, brócolis, etc, e também em cereais integrais.

A Dra. Maria Cecília Corsi, nutricionista da Essencial Light, orienta que
comer proteínas em quantidades ideais é essencial para ter cabelos fortes, sedosos e brilhantes, pois um dos principais agentes responsáveis pela queda de cabelo é a deficiência de bons nutrientes.

Além desses alimentos, há os suplementos alimentares como Soy  Select  Femina – sabor baunilha, da Schraiber direcionado às mulheres, a base de isolado protéico de soja e linhaça dourada. A linhaça dourada é reconhecida como uma fonte vegetal  rica em fibras, ácido graxo Ômega 3 que diminui a incidência de doenças cardiovasculares, como infarto, e fitoestrógenos, que auxiliam na proteção contra a osteoporose e o câncer de mama.
Alguns produtos auxiliam na potencialização de ingredientes importantes para o organismo.   A L’Oreal, em parceria com a Nestlé, lançou Innéov Fermeté®, um nutri-concentrado de beleza cujos ingredientes (como o lacto-licopeno, vitamina C e o extrato de soja) são capazes de passar naturalmente para a corrente sangüínea, sendo absorvidos pelas camadas mais profundas do corpo (http://www.inneovbrasil.com.br).

Outra boa opção é o
Maxxi 30 Life, da RACCO, que é tecnicamente, um alimento para a pele e uma forma de tratar a beleza de dentro para fora. Um verdadeiro aliado para otimizar os tratamentos cosméticos composto por Colágeno Marinho, Zinco e Vitaminas C e E (http://www.racco.com).

Escolha bem o que comer fora de casa

Algumas empresas e restaurantes oferecem refeições balanceadas com sabor indiscutível. É o caso da Kalu Gastronomia (
http://www.kalugastronomia.com.br) que vem oferecendo qualidade com custos adequados na hora do almoço paulistano com o sistema de delivery. No cardápio, opções como Fricassé de Frango ao curry com arroz, cenoura na manteiga de ervas e salada de feijão fradinho e Picadinho piemontês com arroz, feijão preto, purê de mandioquinha e mix de folhas com croutons fazem sucesso todos os dias.

Confira nossa entrevista com Rodrigo Bueno, um dos sócios da casa.
PNB: Que tipo de alimentação diária uma pessoa precisa ter para manter uma boa saúde?

Rodrigo: A resposta mais clássica é manter uma dieta equilibrada, em que todos os grupos alimentares (açúcares, gorduras, proteínas, vitaminas e sais mineirais) estejam presentes. Claro que não precisam estar todos presentes na mesma refeição, e o ideal é balancear os grupos em todas as refeições, mas um engano comum que se comete é retirar um determinado grupo de alguma refeição. O típico "grelhado e uma salada" na hora do almoço é um destes enganos. Ao não ingerir qualquer açúcar (na forma mais comum, carboidrato) deixamos de ingerir uma quantidade expressiva de calorias, o que definitivamente não nos sustenta ao longo do dia. No outro extremo, comer muitos carboidratos pela manhã sem proteínas também é maléfico. No jantar, ou à noite, há muitas teorias contra os carboidratos. Vai de cada um, mas o ideal mesmo é que em todas as principais refeições os grupos estejam representados, equilibradamente. Há substituições que podem ser feitas, que significam não só alimentação mais saudável, mas também mais saborosa (e nem por isso mais cara). Azeite ao invés de óleo de soja, carnes frescas ao invés de embutidos ou congelados, carboidratos complexos como batata e arroz (sim! eles são melhores) do que farinha, pães ou sacarose.

PNB: No verão, quais os melhores pratos para uma melhor digestão?

Rodrigo: Costuma-se dizer que no verão devemos nos alimentar de muitas frutas, verduras e carnes magras. Em regra, deveríamos nos alimentar assim sempre. No verão, o importante é não exagerar nas porções. É claro que uma feijoada será mais difícil de digerir do que uma salada de folhas verdes com tomate cereja. Mas lembremo-nos que a regra é sempre o equilíbrio. Só por curiosidade, a feijoada foi inventada pelos escravos, no Rio de Janeiro, e era consumida no calor também....

PNB: Quais alimentos possuem nutrientes para manter uma pele mais hidratada e um corpo mais saudável?

Rodrigo: Como regra, todos os alimentos possuem esses nutrientes. Essencialmente, estamos falando de fibras (encontradas nos vegetais crus e pouco cozidos ou cereais complexos), vitaminas, minerais e aminoácidos. Dessa forma, um almoço com uma porção de arroz integral (rico em fibras), uma carne com pouca gordura (e não precisa ser um peito de frango insosso), um porção de legumes (cenoura ou abóbora para quem quer prolongar o bronzeado) e salada atende mais do que suficientemente as necessidades da pele sem sobrecarregar o corpo com gorduras que, infalivelmente, aparecem no rosto na forma de acne, oleosidade etc.

PNB: A má alimentação pode influenciar no desempenho diário?

Rodrigo: Indubitavelmente. Comer mal atrapalha o dia de qualquer um. Sem um café-da-manhã adequado não há energia mínima e começamos a gastar reservas importantes do organismo. O que é pior (e isso vale para qualquer refeição): não gastamos aquela gordurinha indesejada. Gastamos glicogênio, perdemos músculos! Ao pular o almoço, estamos submetendo o organismo a uma grande violência. O mesmo vale para os "almoços de dieta". O resultado vem a cavalo: dali a meia-hora temos fome e, não raro, nos entupimos de comida que nada nos traz (as chamadas “calorias vazias”). Um grande engano cometido por muitos é alimentar-se mal à noite. Isso significa, quase certeiramente, uma noite mal dormida.

PNB: Quantas refeições diárias são fundamentais para se ter uma boa disposição?

Rodrigo: Muito individual essa resposta. Os nutricionistas irão argumentar que precisamos nos alimentar a cada 3 ou 4 horas. Isso não significa necessariamente uma refeição completa, mas sim mastigar alguma coisa nesse período. Mas, cuidado! Lanche da manhã ou da tarde com pão de queijo não ajuda em nada! O fundamental é ao menos 3 refeições completas - o que não significa lautas refeições - por dia. Com ao menos um lanche no intervalo entre café da manhã e almoço e almoço e jantar.

PNB: Para as pessoas que fazem atividades físicas, existe um tipo de alimentação que possa contribuir para um bom resultado a curto prazo?

Rodrigo: Claro! Dietas ricas em proteínas ajudam a quem quer ganhar massa muscular, por exemplo. O mais importante, porém, é nunca, nunca exercer qualquer atvidade física com baixa glicose no organismo. Além dos riscos para a saúde, isso joga contra o propósito do exercício, uma vez que o corpo, quando em hipoglicemia, começa a queimar reservas de glicose guardadas nos músculos (glicogênio) o que impacta diretamente no performance dos exercícios, minando força e capacidade aeróbia.

PNB: O consumo de bebidas durante as refeição é proibido?
Rodrigo: Proibido? Não! O que pode acontecer é uma de duas: beber durante as refeições pode nos ajudar a ter uma sensação de saciedade precoce, ou seja: ficamos com a barriga cheia... de líquidos e, quando os líquidos são absorvidos, o que sobrevém é a fome, que não foi saciada. Ou, pode atrapalhar a digestão, dando aquela sensação de sono pós-almoço, por exemplo. Como regra, tente não beber mais do 200ml de nada durante as refeições.

PNB: Pesquisas apontam o excesso de sal como o grande vilão do momento, quais outros produtos são prejudiciais à saúde?

Rodrigo: Na realidade, o pobre do sal não é necessariamente o problema maior. Muito pior do que o sal refinado (não que ele não seja culpado) são os alimentos ricos em sódio. Bom, o sal é cloreto de sódio, daí vem a vilania. Mas refrigerantes (e até mesmo águas engarrafadas) são muito ricos em sódio. Produtos congelados ou industrializados também, pois são ricos em glutamato monossódico - que além do sódio tem glutamato, açúcar simples que nada agrega ao corpo humano. Caldos de carne ou legumes em tabletes, molhos prontos, tudo leva quantidades industriais de glutamato monossódico. O consumo máximo ideal de sódio é de 2,4 g por dia. Só uma lata de Coca-cola Zero tem 28mg, uma porção de ketchup 140mg e por aí vai. Quando vemos, chegou-se aos 2,4g rapidinho


Impulso de Comer: O que é e como eliminá-lo?

Emagrecer sem dietas ou uso de remédio parece um tanto milagroso, mas é perfeitamente possível. De acordo com pesquisas, 40% da população brasileira está acima do peso. Desse nº, apenas 10% dos casos são oriundos de distúrbios das glândulas, os demais 90% não têm causas orgânicas. A veracidade desses dados nos leva a apontar o impulso de comer como uma das principais causas do ganho de peso, uma vez que nosso cérebro e organismo se disciplinam a fazer uma conexão errada entre a fome e as emoções.

Mais do que uma questão estética, a obesidade preocupa principalmente pelos efeitos colaterias que pode gerar. Segundo o neuropsiquiatra Dr. Sidney Chioro, “muitas pessoas têm problemas como diabetes e colite e não podem restringir algum tipo de alimento ou tomar mais remédios”. Para superar o impulso de comer e consolidar um novo corpo, o especialista trabalha com uma técnica de emagrecimento que não restringe a alimentação
ou remédios. A técnica enfraquece o impulso dec comer, a retenção intestinal e a resistência ao emagrecimento.

Segundo o médico, “o impulso de comer estabelece uma conexão errada entre o sistema emocional e o das necessidades orgânicas, criando um comando de fome, assim, qualquer emoção vira fome”. O Instituto Chioro oferece palestras gratuitas sobre o assunto, para agendar um horário, ligue para (11) 2148 2800 (informações cedidas por Lais Lopes – KB Comunicações).
Escrito por Acácia Lima e Camila Grillo  


Nenhum comentário: