8.22.2014

Fernanda Gentil ganha uma calcinha em gravação de programa de TV

Jornalista vai estar no 'Altas Horas' neste sábado

O Dia
Rio - Fernanda Gentil será uma das atrações do programa "Altas Horas", que vai ao ar na madrugada deste sábado. Durante a gravação do programa, que também teve a participação da banda Calcinha Preta, Fernanda ganhou uma calcinha de presente de um dos cantores do grupo. Simpática, Fernanda Gentil roubou a cena na gravação e ainda jogou "altinho" com Serginho Groisman e Márcio Garcia, que a elogiou bastante. "Você bate um bolão, mas um bolão mesmo. Você joga bola, né? Tem habilidade", disse o ator.
Fernanda Gentil ganha uma calcinha de presente no 'Altas Horas'
Foto:  Divulgação


Politica sem adjetivos

Renovar os meios e os modos da política é preciso, disso não há dúvida, desta premência ninguém discorda, exceto os acomodados nas más intenções de sempre.A candidata do PSB, Marina Silva, pretende encarnar o desejo de mudança claramente posto pelo público em toda parte, levantando o estandarte de combatente da política tradicional. Tem chance de êxito como se viu na primeira pesquisa de intenções de voto em que aparece como candidata a presidente. Mas, como também estamos vendo nos primeiros movimentos decorrentes da reorganização da campanha após a morte de Eduardo Campos, o caminho não é suave.
O simples fato de a reunião entre a cúpula do PSB e o grupo de Marina Silva na quarta-feira ter durado o dia todo já diz algo sobre a dimensão dos obstáculos. Estivessem todos tão de acordo como querem fazer crer as declarações oficiais, bastariam poucas horas para alguns ajustes. Afinal, a decisão principal estava tomada, seria ela a candidata. Se os partícipes da aliança precisaram gastar tanto tempo, foi porque havia arestas.
Foram aparadas? A julgar pelos acordes iniciais, não. O secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, deixou a campanha se queixando dos modos autoritários de Marina; o substituto na coordenação-geral será alguém da confiança dela.
Mais: a ex-senadora tratou de assegurar o controle do comitê financeiro, como quem cria uma rede de proteção contra possíveis cortes de "oxigênio"; e já avisou que não estará em palanques aliados ao partido em São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Santa Catarina.
O registro da candidatura no Tribunal Superior Eleitoral ainda não saiu (a burocracia leva alguns dias) e Marina Silva deixou de se comportar como hóspede para se movimentar com a desenvoltura de dona da casa.
Parece referida na campanha de 2010. Existem diferenças: primeira, agora não é dona da casa. Há condôminos, vale dizer, as seções regionais do PSB, que podem resolver simplesmente abandoná-la e aderir aos adversários devido ao descumprimento de acordos anteriormente firmados.
Marina não é, como em 2010, candidata de si mesma. Há certas tradições na política que não devem desprezadas nem confundidas com velhos vícios. A honra do compromisso é uma delas. 

Outra diferença: desta vez é candidata competitiva. A fim de que não perca essa condição, conviria que não perdesse também o fio terra no discurso. Voltamos aqui ao início à questão da renovação. Inovar é possível, desde que as soluções para a realização do sonho sejam factíveis e compreensíveis ao entendimento da maioria. (Dora Kramer)
                                          xxxxxxx       xxxxxxxx        xxxxxxxx

Imprensa (oposição). O ex-presidente Lula levou a guerra contra a imprensa independente - que chama de "certa imprensa" - para o horário eleitoral. Muita gente,  mal intencionada, viu nisso um gesto de apoio à proposta de controle social da mídia. 

Pois pareceu muito mais uma maneira de mostrar ao eleitorado  as denúncias infundadas ao governo do PT. 

O governo lança mão da credibilidade de Lula para simplificar as coisas dizendo que é tudo mentira da mídia e da oposição 

Aparência. A presidenta da Petrobrás, Graça Foster, não teve, a intenção de burlar o processo de apuração da compra da refinaria de Pasadena.Mas oposição e a mídia vão explorar este fato, porque isso tira votos do PT. 

Texto retirado da Internet e modificado sem adjetivos e sem complementos. 

Gasto de brasileiro no exterior bate recorde para todos os meses

No mês passado, despesa no exterior somou US$ 2,41 bilhões, diz BC.
Neste ano, volume de gastos no exterior também é o maior da história.

Alexandro Martello Do G1, em Brasília
Especialista explica como funciona o seguro e assistência de viagem (Foto: Reprodução/EPTV)Brasieiros viajam e gastam mais
(Foto: Reprodução/EPTV)
Em julho deste ano, tradicional mês de férias escolares, os gastos de brasileiros no exterior bateram recorde histórico para todos os meses, segundo números divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (22).
Os dados mostram que os brasileiros não deixaram de fazer compras lá fora mesmo com a realização da Copa do Mundo no Brasil. No mês passado, as despesas no exterior somaram US$ 2,41 bilhões. Até o momento, o maior valor gasto no exterior havia sido em abril deste ano (US$ 2,34 bilhões). O BC começou a divulgar dados do tipo em 1947.
Evolução dos gastos no exterior
Resultados mensais em R$ bilhões
2,192,22,142,291,852,192,121,911,832,342,2622,41Jul/13Ago/13Set/13Out/13Nov/13Dez/13Jan/14Fev/14Mar/14Abr/14Mai/14Jun/14Jul/1400,511,522,53
Fonte: Banco Central
Os gastos no exterior bateram recorde histórico apesar da alta da moeda norte-americana. Em abril deste ano, recorde anterior, o dólar estava cotado ao redor de R$ 2,22. No mês passado, a cotação avançou 2,71%, terminando o mês R$ 2,26.
O dólar mais alto encarece as passagens e os hotéis cotados em moeda estrangeira, além dos produtos comprados lá fora. Outros fatores que impulsionam as despesas de brasileiros no exterior são o aumento da renda no Brasil e os preços mais baratos de produtos em outros países.
Acumulado do ano
Segundo os números do BC, as despesas no exterior também bateram recorde nos sete primeiros meses deste ano, quando somaram US$ 14,9 bilhões. O recorde anterior foi registrado no mesmo período de 2013, quando os gastos de brasileiros lá fora somaram US$ 14,4 bilhões.

No acumulado deste ano, o dólar também ficou mais caro do que nos sete primeiros meses de 2013, o que não impediu o registro de um novo recorde de gastos lá fora. A moeda norte-americana iniciou o ano de 2013 em R$ 2,04, passando para cerca de R$ 1,98 em fevereiro e março, e avançando um pouco para R$ 2 em abril do ano passado. Somente em junho subiu um pouco mais, atingindo R$ 2,13 e avançando para R$ 2,21 no fim daquele mês. Em julho, oscilou ao redor de R$ 2,24.
Em 2014, porém, o dólar já estava muito mais caro. A cotação começou este ano em R$ 2,39 e oscilou ao redor deste patamar até março, quando caiu para R$ 2,32. Somente em abril de 2014, atingiu R$ 2,22 e ficou ao redor desta cotação (com altas e baixas pontuais) até o fim do primeiro semestre. Em julho deste ano, a cotação ficou ao redor de R$ 2,21.
Gastos entre janeiro e julho
Resultados dos primeiros semestres, em R$ bilhões
5,498,5812,4712,7114,414,9em R$ bilhões2010201220141057,512,51517,5
Fonte: Banco Central
Alta do IOF
As despesas de brasileiros no exterior bateram recordes mesmo com a adoção, no fim de 2013, de medidas para conter esses gastos. A alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) – incidente nos pagamentos em moeda estrangeira feitos com cartão de débito, saques em moeda estrangeira no exterior, compras de cheques de viagem (traveller checks) e carregamento de cartões pré-pagos – foi elevada de 0,38% para 6,38% no fim do ano passado. Com isso, essas operações passaram a ter a mesma tributação dos cartões de crédito internacionais.

Histórico de gastos no exterior
Em 2013, os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 25,3 bilhões e bateram recorde para um ano inteiro, contra US$ 22,2 bilhões nos 12 meses anteriores. Em 2011, as despesas dos nossos turistas lá fora haviam somado US$ 21,2 bilhões.

Até 1994, quando foi criado o Plano Real para conter a hiperinflação no país, os gastos de brasileiros no exterior não tinham atingido a barreira dos US$ 2 bilhões. Mas, naquele ano, quando o real foi ao equiparado ao dólar, as despesas somaram US$ 2,23 bilhões. Entre 1996 e 1998, elas oscilaram entre US$ 4 bilhões e US$ 5,7 bilhões.
Com a maxidesvalorização cambial de 1999 e o dólar ultrapassando R$ 3 em um primeiro momento, as despesas lá fora também ficaram mais caras. Os gastos voltaram a recuar e ficaram, naquele ano, próximo de US$ 3 bilhões.
As despesas de brasileiros fora do país voltaram a atingir a barreira de US$ 5 bilhões por ano apenas em 2006. Desde então, têm apresentado forte crescimento: em 2007, 2008 e 2009, atingiram, respectivamente, US$ 8,2 bilhões, US$ 10,9 bilhões e US$ 10,8 bilhões.

Agências internacionais de medicamentos participam de conferência no Brasil

Agências internacionais de medicamentos participam na cidade do Rio de Janeiro do 16º ICDRA- International Conference of Drug Regulatory Authorities, de 26 a 29 de agosto no Hotel Sofitel, em Copacabana. O evento é promovido pela OMS- Organização Mundial de Saúde que indicou a Anvisa- Agência de Vigilância Sanitária do Brasil para organizar a conferência. A abertura oficial do evento será no dia 26, às 10h30.
O ICDRA é um fórum tradicional de discussão que reúne autoridades reguladoras de medicamentos dos países membros da OMS desde 1980, com o objetivo de estreitar vínculos, debater tendências e compartilhar soluções de interesse comum, fortalecendo a colaboração mútua.
Com a troca de informações, as autoridades sanitárias internacionais contribuem para a convergência regulatória na área de medicamentos, o que resulta na melhoria da qualidade, segurança e eficácia desses produtos em todo o mundo.
Boas práticas de fabricação na indústria farmacêutica, redução de riscos em produtos derivados do sangue, regulação de dispositivos e equipamentos médicos, monitoramento da produção de vacinas e medicamentos biossimilares são algumas dos temas que estarão em debate durante o ICDRA.
Um pouco antes, dias 24 e 25, também no Hotel Sofitel, será realizado o Pré-ICDRA, à margem da reunião principal. Este evento oferece oportunidade à indústria, academia, organizações não-governamentais e outras instituições internacionais de participar das discussões, beneficiando-se, igualmente, da aproximação propiciada pelo ICDRA. Assegurando a qualidade e a segurança dos biossimilares para pacientes ao redor do mundo” é o tema central da pré-conferência. Os diretores da Anvisa, participam do Pré-ICDRA e também do ICDRA.
Esta é a primeira vez que o Brasil é sede do ICDRA. O Diretor-presidente da Anvisa, farmacêutico Dirceu Barbano, salienta que “a regulação feita pela Agência, em seus 15 anos, completados em 2014, fez com que o Brasil se tornasse um lugar mais confiável em relação aos medicamentos e produtos que estão sob o controle sanitário. O Brasil, por intermédio da Anvisa, participa em nível de igualdade de agendas com agências congêneres que têm uma história de vida muito mais longa. Sabemos que estamos fazendo um trabalho sério e minimizando riscos à saúde da população tanto no Brasil como nos países que adquirem nossos produtos”, concluiu Barbano.
A Diretora da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), Carissa Etienne; o Chefe de Regulação de Medicamentos e Produtos para a Saúde da OMS, Lembit Rago; e o Diretor de Medicamentos Essenciais e Políticas Farmacêuticas da OMS, Kees de Joncheere, participarão da solenidade de abertura do ICDRA. Na ocasião, a Diretora da OPAS representará a Diretora Geral da OMS, Margaret Chan
No sábado, dia 30, extra-agenda do ICDRA, haverá uma reunião com os representantes das agências reguladoras dos países de língua portuguesa, que integram o Fórum das Agências Reguladoras de Medicamento do Espaço Lusófono, Farmed. A Anvisa preside o Conselho Consultivo deste Fórum, sendo o Conselho Consultivo pela agência agência portuguesa .
Serviço
16º ICDRA- International Conference of Drug Regulatory Authorities
Quando: de 26 a 29 de agosto
Hora: Abertura às 10h30 do dia 26 de agosto
Onde: Hotel Sofitel, Cobacabana, Rio de Janeiro, Brasil



Fonte: Anvisa

Concurso Público: Planejamento autoriza 75 nomeações no Ministério da Ciência


Provimento deve acontecer a a partir de agosto deste ano.
Todos os cargos são de nível superior.



Do G1, em São Paulo



O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão autorizou, por meio da portaria nº 272 publicada no "Diário Oficial da União" desta sexta-feira (22), o provimento de 75 cargos das carreiras de pesquisa em ciência e tecnologia, de desenvolvimento tecnológico e de gestão, planejamento e Infraestrutura em ciência e tecnologia, do quadro de pessoal do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).
O concurso público foi autorizado pela portaria nº 241, de 4 de julho de 2013. O concurso ofereceu 40 vagas para tecnologistas, 20 para analistas e 15 para pesquisadores.
O provimento dos cargos deverá ocorrer a partir de agosto de 2014 e está condicionado à existência de vagas na data da nomeação; e à declaração do respectivo ordenador de despesa, quando do provimento dos referidos cargos, sobre a adequação orçamentária e financeira da nova despesa à Lei Orçamentária Anual e sua compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias, demonstrando a origem dos recursos a serem utilizados.