10.20.2017

Anvisa registra remédios inovadores para câncer de pele

Um deles consiste no Vismodegib (Erivedge): novo tratamento sistêmico para câncer de pele do tipo carcinoma basocelular, em estágio avançado.

O vismodegib, teve sua origem em uma planta, lírio do milho (Veratrum californicum),  pesquisas mostraram que uma substância nessa planta bloqueava uma via enzimática conhecida como Via Hedgehog, esta substância foi denominada ciclopamina, por meio de aprimoramentos farmacológicos da ciclopamina se obteve o vismodegib, esta droga é fabricada pela  Roche, o mecanismo de ação é a inibição da via hedgehog, normalmente nos carcinomas basocelulares existem mutações que levam à ativação desta via, o vismodegib está disponível em cápsulas de 150 mg, dose única diária, está indicado para carcinomas basocelulares metastáticos, pacientes com doença local (sem metástases) avançada ou pacientes sem condições cirúrgicas, os primeiros resultados com esta nova medicação são animadores, não é ainda a cura definitiva do carcinoma basocelular (existem pacientes que não respondem ao tratamento), mas já sinaliza uma mudança nos rumos do tratamento do carcinoma basocelular, até hoje o tratamento era predominantemente cirúrgico, talvez isso possa agora começar a mudar. Este medicamento pode apresentar riscos que devem ser alertados aos pacientes como o risco potencial de graves defeitos congênitos ou de morte fetal então os médicos devem averiguar a possibilidade de gravidez antes de prescreveram esta medicação e alertar sobre os possíveis efeitos colaterais que podem ser a diminuição do apetite, queda dos cabelos, perda de peso, espasmos musculares, fadiga, artralgias, náuseas e vômitos.



13 de junho de 2017

Novidades contra o câncer 

Os novos medicamentos têm alvos muito específicos para cada um dos tipos. Recentemente, três medicamentos foram aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
O primeiro é o Tagrisso (orsimertinibe), indicado para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão de células não-pequenas avançado ou metastático positivo para mutação EGFR T790M.
 Segundo é o Dalinvi (daratumumabe), contra o mieloma múltiplo (tipo de câncer que se origina na medula óssea). Estudos em múltiplos centros, incluindo serviços brasileiros como o Hospital do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre, demonstraram uma taxa global de resposta de 84%
A terceira novidade é o Lynparza (olaparibe), indicado no tratamento de manutenção de pacientes com carcinoma de ovário seroso de alto grau (tipo de tumor de ovário avançado), incluindo carcinoma de falópio e carcinoma do peritônio. O remédio é recomendado a mulheres com mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 e que sofreram recorrência da doença.


Medicamento vem sendo utilizado para fins estéticos!


É um esteroide criado com a marca “Anavar” que começou a ser vendido nos Estados Unidos em 1964. Está relacionado ao receptor de testosterona no organismo. Esse receptor induz ações anabolizantes, androgênicas e outras.
No Brasil, são comuns os nomes: Lipidex e Anavar. Nos Estados Unidos, o medicamento pode ser encontrado como Anavar. Em outros países, como Austrália, Japão e Itália, a Oxandrolona é encontrada como Lonavar.
Seu uso terapêutico restringia-se basicamente ao tratamento de pacientes queimados, deprimidos, em recuperação de grandes cirurgias e também para restaurar ou restabelecer o peso corporal dos sobreviventes dos campos de concentração durante a 2ª guerra mundial. A maioria dos efeitos colaterais advém do uso indiscriminado, abusivo e não terapêutico, sendo utilizado geralmente por indivíduos que objetivam melhorar a performance esportiva e estética, com dosagens que costumam ultrapassar a dosagem terapêutica em até 100 vezes.
Logo, o fármaco tem se tornado bastante popular, sobretudo no ambiente fitness de treinos regulares e árduos e dietas restritas, por isso a prevalência do uso foi maior entre os professores de Educação Física (25,5%) quando comparados a outros grupos, como outros profissionais e acadêmicos da área da saúde, adolescentes, homens e mulheres. Nesse caso, a utilização é para fins de grande aumento de força por aumentar os depósitos de fósforo creatina intracelular (fonte de combustível muscular para esforços imediatos de curta duração com até 10 segundos aproximadamente) e aumento da massa do músculo, além de definição muscular. Todavia, os efeitos colaterais mais citados foram: acne (54%), ginecomastia (34%) e estrias (34%).      
Portanto, fique atento: se você desconhece esse tipo de produto, antes de usá-lo procure um médico especialista como um endocrinologista, nutrólogo ou nutricionista.
Para mais informações, acessem:http://www.scielo.br/pdf/refuem/v24n4/14.pdf

Pesquisa confirma o que todo mundo já sabia.


247 - A um ano das eleições, os políticos continuam no patamar mais alto de desconfiança entre os brasileiros, segundo levantamento mais recente do Ipsos. De acordo com o estudo, 93% não confiam nos políticos em geral e 90% não confiam em Michel Temer. Ao mesmo tempo, as instituições mais confiáveis para os entrevistados são as Forças Armadas (66%) e a Polícia Federal (64%).
Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 19, no lançamento de uma publicação do Ipsos intitulada Brasil 2018: Caiu a Máscara. Para o levantamento, foram entrevistados 1,2 mil pessoas, em 72 municípios, entre os dias 1.º e 14 de julho deste ano. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais.
O estudo apontou que 86% dos entrevistados disseram concordar, parcialmente ou totalmente, com a frase: “Os partidos e políticos tradicionais não se preocupam com pessoas como eu”. “Há uma desconfiança generalizada nas instituições em um contexto de crise econômica e vácuo de lideranças”, explicou Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs.
Ele avaliou que a maioria dos entrevistados considera que os militares e os policiais federais são os personagens que vão resolver os problemas sem grandes rituais. “Em um momento de crise moral no País, são as forças armadas e a polícia que têm esse capital de imagem do ponto de vista de serem instituições intocáveis, mais puras”, afirmou.
Líderes da confiança dos brasileiros, as Forças Armadas e a PF, também, representam, para os entrevistados, o “moralismo e conservadorismo”, observou o diretor da Ipsos Public Affairs. “As pessoas as apoiam por isso, porque acham que elas podem corrigir o sistema falido”, afirmou Cersosimo.
As informações são de reportagem de Marianna Holanda no Estado de S.Paulo.

Vem aí o aumento do plano de saúde dos idosos!

publicado 19/10/2017
Sem Título-4.jpg
O presidente ladrão e o Ministro (sic) da Saúde (sic): um colosso!




Depois de a CCJ da Câmara livrar Michel Temer (PMDB) da investigação por organização criminosa e obstrução à justiça, os deputados se preparam para autorizar aumento no plano de saúde de idosos com mais de 60 anos. O parecer favorável é do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).
Atualmente, a lei proíbe que aumentos sejam aplicados nos planos de pessoas com até 59 anos.
A ideia do relator é “parcelar” os reajustes para que não fira o Estatuto do Idoso. A proposta atende ao lobby das empresas de plano de saúde.
O texto de Marinho tramita em regime de urgência numa comissão especial da Câmara. Por isso, se aprovado, o parecer vai à votação diretamente no plenário sem precisar passar pelas demais comissões da Casa.
Até agora, nem Michel Temer (PMDB) nem o ministro da Saúde Ricardo Barros (PP) se manifestaram contrários à proposta que ferra os idosos brasileiros.
Barros é um conhecido militante pela diminuição do Sistema Único de Saúde para abrir espaços para os planos de saúde privados, que financiaram sua campanha de 2014 — conforme o TSE.
Como se vê, não há limites quando o assunto é desrespeito aos idosos e retirada de direitos — como o fim das aposentadorias na reforma previdenciária.

Vontade de comer não é fome!


Nutrólogo explica os perigos de uma má alimentação e a participação da gula em suas emoções

Se exceder na quantidade de comida e de bebida pode provocar um prazer enorme, por outro lado, traz consequências não tão agradáveis à saúde e bem-estar do nosso corpo, como o sobrepeso, obesidade e até a bulimia. Mas por que será que é tão difícil dizer não às tentações gastronômicas da geladeira, das padarias, restaurantes, supermercados e das ruas?
 “a gula é de origem emocional, desencadeada principalmente por decepções. É como se a pessoa descontasse a sua frustração nos alimentos", explica o nutrólogo.
No caso da anorexia e bulimia, a gula pode ser responsável por desencadear os dois problemas, já que nesses casos o paciente passa a estabelecer uma relação deturpada com os alimentos em função de aspectos emocionais. "Ambas podem se manifestar quando a pessoa engorda demais em razão desta gulodice e para de comer ou rejeita os alimentos numa tentativa de perder peso", pontua o especialista.
“Fome é quando o corpo precisa do alimento para manter suas funções vitais. Gula é aquela vontade incontrolável de devorar um bombom ou comer um croissant, mesmo estando de barriga cheia”, ressalta. Esses deslizes, quando frequentes, têm o poder de atrasar o emagrecimento.
Quando o indivíduo come, o cérebro recebe uma carga de dopamina, hormônio responsável pelo prazer. “Ao olhar o alimento, fica com vontade de degustá-lo, porque o cérebro lembra-se do prazer que sente quando esta comida é consumida e aparece a vontade de comer determinado prato”.
Dr. Máximo Asinelli
 
Médica explica o ciclo fisiológico da alimentação e o perigo da fome emocional
Médica explica o ciclo fisiológico da alimentação e o perigo da fome emocional
MARMITA - Três conceitos podem diferenciar a fome da vontade de comer: quantidade, qualidade e programação. A quantidade está relacionada com a saciedade, o quanto de comida vai satisfazer, então preste atenção aos sinais do corpo e coma de forma consciente. Para comer menos, a qualidade tem que ser boa, porque os alimentos de verdade dão mais saciedade que os industrializados. Por isso, quanto mais alimentos naturais, mais saciedade e menos comida.
 Se programe ao pensar na alimentação: quando entrar em um restaurante por quilo, olhe todo o buffet antes de fazer o prato, prepare cardápios para a sua semana e faça as compras de forma consciente. 

Saiba diferenciar o que é fome do que é vontade de comer e emagreça

Pode parecer a mesma coisa, mas tem diferença!



Tá chegando a hora do almoço e bate aquela vontade de comer um prato com arroz, feijão, carne e vegetais. Você almoça e dali algumas horas, no meio da tarde, vem aquele desejo de abrir um chocolate, certo? Já reparou que, para cada situação, o alimento que queremos é diferente? É por isso que precisamos separar o que é fome do que é vontade de comer. E não, nem sempre elas caminham juntas, como diz o ditado.

Definimos fome, como a sensação física que ocorre pela necessidade urgente de comida. Ela resulta de uma série de estímulos, como a sensação de estômago vazio e também da presença de alguns hormônios, como a grelina, produzida pelo estômago e que age no cérebro, disparando a sensação de fome. 

Já a vontade de comer vem de um mecanismo um pouco diferente. Ela está diretamente ligada aos mecanismos de recompensa cerebral. Um bom exemplo é o dos chocólatras, que ao ingerirem o tão amado doce ativam os centros de recompensa cerebrais relacionados ao prazer.

Reprodução / giphy

Estes centros de recompensa agem quando recebem um alimento rico em açúcar ou em gordura, como se estivessem recebendo uma droga. Liberam-se hormônios de bem estar, como a serotonina e a dopamina, que acabam amplificando a vontade de comer.
Pois é, o maior problema da vontade de comer é quando este comportamento leva à ingestão de excesso de calorias, o que leva ao ganho de peso. Essa vontade incontrolável de comer alimentos ricos em açúcar ou em gordura em diversos horários do dia – nem sempre os da refeição – muitas vezes aumenta muito a quantidade de calorias ingeridas. Por sua vez, a fome em excesso também pode desequilibrar o balanço energético, levando a um consumo de calorias maior que o gasto. Por isso, saber diferenciar quando é fome ou só desejo é essencial quando pensamos em corrigir nossos hábitos alimentares para perder peso. Lembre-se: é diferente uma pessoa que tem excesso de fome de outra em que predomina a vontade de comer. 
Reprodução

Se o seu caso, no entanto, for uma fome avassaladora, é preciso reestruturar suas refeições. Geralmente, há uma uma tendência de que o volume de alimentos no almoço e no jantar seja maior, porque não há lanches nos intervalos entre as refeições, o que leva a pessoa a ficar com mais fome por ficar longos períodos sem comer. A solução aqui é introduzir snacks e avaliar a quantidade dos alimentos ingeridos. 
Agora, se o padrão alimentar é mais ligado à vontade de comer, geralmente o hábito é o de beliscar o dia todo. A primeira medida é regularizar o intervalo entre as refeições e introduzir fibras na alimentação. Outra boa alternativa é trocar o açúcar por alimentos menos calóricos, como as frutas, quando a vontade de comer doce aparecer. Além disso, em alguns casos, é preciso avaliar se há necessidade de introduzir tratamento psicológico, pois muitas vezes o hábito de exagerar nos doces pode estar associado à ansiedade ou compulsão.
Reprodução

Temos muitos hábitos: hora de dormir, hora de acordar, jeito de pentear o cabelo, maneira de escovar os dentes, e também, o hábito alimentar. Identificando os padrões e a sua relação com a comida, você consegue fazer uma reeducação alimentar de verdade e perder peso com saúde, tá? 

 Leia também: Por que algumas pessoas perdem peso mais fácil do que outras?