12.03.2016

Respeitar é uma forma de amar

Pessoas especiais discutem ideias e ideais, pessoas medianas falam sobre eventos
Que as minhas orações cheguem perto de tocar as estrelas!
Que os céus possam ouvir as preces dos guerreiros do coração.
A meditação e as preces tem a poderosa função de conectar corações e mentes.
Que a humanidade se torne a cada dia que passa mais integra, respeitosa e inteligente.
Espero que os atos de gentileza gerem cada vez mais atos de gentileza.
Respeitar é uma forma de amar.
A chegada da nova Era não é marcada por uma data específica, basta silenciarmos e sentirmos verdadeiramente com o coração que além de pulsar, pode espalhar o sentimento mais nobre por este pequeno orbe que vaga pelo infinito espaço.
Disputas por poderes e posses só resultarão em fins trágicos.
A sociedade esquece que a matéria se dissolve, que as máscaras dos personagens um dia caem e a verdade sempre vem a tona.
A consciência maior se resume em uma única frase: Escolha o amor!
Tudo neste universo segue as formas da geometria sagrada, mas nós seres humanos perdemos a forma e vivemos o momento de nos reformularmos, precisamos abandonar este velho casulo de ilusões para que a nossa partícula divina possa finalmente despertar!
A mudança pode se processar sem agressividades ou hostilidades.
Alimente os seus pensamentos de música e poesia.
Abandone pré julgamentos ou pré conceitos.
Devemos recordar o seguinte ensinamento: pessoas especiais discutem ideias e ideais, pessoas medianas falam sobre eventos e pessoas de mente ausente discutem pessoas.
Tudo é uma questão de escolha! Aquilo que você alimenta retorna para você.
Fonte: Preces e Escolhas

12.02.2016

VINHOS

1) O vinho é mais feminino do que masculino. Até semanticamente, porque tirando o substantivo que o designa, todos os outros são femininos: a vinha, a uva, a colheita, a safra, a garrafa, a taça … e a folha de parreira que cobriu (?) dona Eva.
A Monalisa e o bordeaux lìnstant Taittinger Eva
2) Uma medida de vinho — uma garrafa ou um copo — tem muito mais água do que álcool.
ÁGUA – Cerca de 80% do vinho é constituído de água. elemento. O vinho pode, portanto, contribuir para a hidratação.
AÇÚCARES – No processo da fermentação, o açúcar da uva representado pela glicose e frutose, é transformado em álcool, porém, uma certa quantidade residual permanece, cerca de 1 a 3g/l nos vinhos secos.
VITAMINAS – A uva contém em sua composição uma série de vitaminas que são transferidas para o vinho. As principais detectadas são: B1 (TIAMINA – B2 (RIBOFLAVINA) – NIACINA (ÁCIDO NICOTÍNICO) – B6 (PIRIDOXINA) – B12 (COBALAMINA) – A (RETINOL) – C (ÁCIDO ASCÓRBICO). Cada uma delas funcionando como catalisadores nas reações orgânicas e ação preventiva de doenças específicas, (como a Tiamina na prevenção do Beri-Beri).
SAIS MINERAIS – O vinho possui uma quantidade significativa de oligoelementos como: Potássio, Cálcio, Fósforo, Zinco, Cobre, Flúor, Alumínio, Iodo, Magnésio, Boro, etc.
ÁLCOOL ETÍLICO – A participação do álcool na composição do vinho gira em torno de 7 a 14 g/litro, nos vinhos secos, que são os mais consumidos. Esse dado vem expresso no rótulo em % p/Vol. ou GL (Gay Lussac), que traduz a porcentagem ou teor de álcool por volume.

20111119-a cor da uva Gamay
3 Pode-se fazer vinho branco com uvas tintas, mas não se pode fazer vinho tinto com uvas brancas. E isso porque quando se colocam os bagos de uva nos tonéis, e que eles começam a ser prensados – seja com o pé, a chamada “pisa”, seja por máquinas – o primeiro líquido que sai é branco, como a polpa da uva.
Então, se imediatamente se retirarem as cascas de uva tinta, as polpas e o mosto estarão produzindo um vinho branco; se esperarmos algumas horas (de 6 a 12h), estaremos produzindo um vinho rosé.
Mas o inverso não ocorre. Se prensarmos as cascas de uma uva branca ela não produzirá um vinho de outra cor.

4) As garrafas de vinho têm, na sua imensa maioria, 750 ml porque o vidro soprado foi descoberto pelos artesãos de Murano(Veneza) no século XVII. E essa medida era a maior autorizada pelas autoridades, para evitar que os sopradores sofressem embolia pulmonar.
Como hoje o processo é industrial, pode-se fazer a Magnum (1,5 litros e até de 12 litros. Veja abaixo (aquelas pequeninhas, de avião, nem menciono).

5) Os outros tamanhos das garrafas de vinho, são: meia = 375 ml; magnum (acima); jeroboam = 3 lit; rehoboam = 4, 5 lit; matusalem = 6 lit; salmanazar = 9 lit; balthazar = 12 lit tamanho das garrafas
Obs: primeiro: tem garrafas ainda maiores, (nabucodonossor, melchior, mas aí já é raridade para excêntricos); 2) há variedade de nomenclatura de países para países: esta é a tabela francesa; 3) também para as garrafas de champagne, há outra classificação. Mas o que importa está acima.
Saúde … e força, para erguer uma ampola de 12 litros!

 Um vinho solto, sem ontem nem amanhã

Há muitos anos reproduzo, tentando atualizá-lo, o post da “chegada do Beaujolais”. E geralmente (re)começo assim: hoje é quinta-feira, a terceira de novembro, data em que às 12.01 da madrugada o Beaujolais 2016 será distribuído por mais de 100 países.
No Japão, o maior importador de Beaujolais do mundo, com sete milhões de garrafas, o lançamento se dá num resort em Hakone, a oeste de Tóquio, numa banheira cheia de vinho…
Beaujolais no Japão
Essa distribuição é “militarmente” planejada. Ainda hoje, 66 anos depois, milhares de pessoas se reúnem à meia-noite e um minuto para prová-lo. Mas nunca antes. Contam que o presidente Mitterrand recebeu o primeiro-ministro alemão numa terça-feira anterior à quinta do lançamento e resolveu surprêende-lo com uma prova antecipada. Não conseguiu, sendo presidente da França!
Ele é produzido 100% com a uva Gammay.
E ao contrário do ciclo milenar da produção de um vinho: colheita, prensagem, armazenamento (mais de um ano), engarrafamento e distribuição, um punhado de produtores de Lyon decidiu, desde 1951, pular essa etapa — e acertaram no milhar! Bolaram uma jogada de marketing espetacular: fixaram uma data-réveillon para a distribuição dos Beaujolais no mundo. Como já disse, no primeiro minuto da terceira quinta-feira de novembro, em toda a França e em todos os distribuidores da marca, no mundo, um cartaz similar anuncia:
Le Beaujolais Nouveau est arrivé
Ou seja: faz-se a colheita no fim do verão e, “vite, vite”, a vinificação e o engarrafamento. Cerca de 2 meses depois, sem barricas, sem descanso, sem maturação, milhares de garrafas têm que estar prontas para embarcar mundo afora. E, pelo menos idealmente, devem ser consumidas até o 31 de dezembro do próprio ano.
Rótulo?
Beaujolais 2016
Esse é o rótulo do Beaujolais engarrafado pelo veterano Joseph Drouhim, distribuído no Brasil com grande competência pela Mistral.
Cor?
Um violeta claro e brilhante como o olhar da Elizabeth Taylor. <
Liz Taylor violeta
Paladar?
Como os demais, tem gosto de compota (sem açúcar) de frutas do campo, com predomínio de amoras, framboesas, cassis e morango. Porém (eu não desisto), lá longe tem “sugestões” de banana (terebentina), no final da boca. Mas é agradável, preenche o paladar e apresenta aspereza.
“Não morde”, dizia um crítico. É uma espécie de caramelo de vinho.
Moral da história: esqueçam o discurso. O Beaujolais é um vinho jovem, sem memória nem responsabilidade. Está mais ligado ao hedonismo do que à degustação tradicional. Não tem pedigree, nem se propõe: é um vinho solto, sem ontem nem amanhã.

Simples assim.

incontinência urinária, alimentos que causam alergia e Codeína e crianças: Uma mistura perigosa

Você tem incontinência urinária?


A incontinência urinária (perda do controle da bexiga) é um problema comum porém embaraçoso.
Ela pode ser branda, onde só ocorre com um espirro ou tosse, ou severa.
Se a incontinência urinaria afeta sua vida não tenha medo de procurar um medico.
Para a maior parte das pessoas uma simples mudança de hábitos ou medicamentos podem curar essa situação.

Tipos de incontinência urinária:

Incontinência de esforço:
Ocorre quando a pessoa tosse, espirra, ri ou se exercita.
Incontinência por urgência:
Uma vontade inesperada e forte de urinar seguida de perda involuntária de urina. Esse tipo de incontinência pode ser causada por pequenos problemas como uma infecção ou diabetes.
Incontinência por transbordamento:
A pessoa experiência vazamento de urina constante poque a bexiga não esvazia por completo.
incontinência funcional:
Um prejuízo físico ou mental que impede a pessoa de chegar no banheiro a tempo.
Incontinência mista:
A pessoa experiencia mais de um tipo de incontinência.
A incontinência urinária não é uma doença e sim um sintoma. Esse sintoma pode ser causado por hábitos diários, medicamentos e problemas físicos.
Algumas bebidas, comidas e medicamentos podem causar incontinência urinária temporária.

São elas:

-Álcool.
-Cafeina.
-Chá.
-Adoçantes artificiais.
-Xarope de milho.
-Comidas muito temperadas, acidas e doces.
-Medicamentos para o coração, pressão e relaxantes musculares.
-Doses altas de vitaminas B ou C.

Condições médicas que causam incontinência urinaria:

-Infecção urinaria.
-Constipação.

Problemas ou mudanças físicas:

-Gravides.
-Idade.
-Menopausa.
-Histerectomia.
-Aumento de próstata.
-Câncer de próstata.
-Obstrução no canal urinário.
-Desordem neurológica.

Fatores de risco:

-Sexo. Mulheres tem mais incontinência de esforço e homens por transbordamento.
-Idade. Quanto mais velho maior a incontinência devido ao enfraquecimento dos músculos da bexiga.
-Peso. O peso extra aumenta a pressão sobre a bexiga.
-Outras doenças. Doenças neurológicas e diabetes.
Entre as complicações estão problemas de pele, infecção urinaria e impactos na vida pessoal.

Para diagnosticar o problema o médico pode indicar:

- Exame de urina.
- Diário detalhado da quantidade de liquido ingerido e expelido.
- Medicação residual pós-miccional.

Se mais informações forem necessárias serão pedidos:

- Teste urodinâmico.
- Cistoscopia.
- Cistografia.
-Ultra-sonografia pélvica.

É recomendado para o paciente antes da consulta médica:

- Escrever os sintomas.
- Fazer uma lista de todos os medicamentos consumidos.
- Escrever perguntas para o médico.
É importante determinar qual tipo de incontinência urinária o paciente possui.

Após um exame físico o médico provavelmente recomendará:

- Exame de urina.
- Fazer um diário da bexiga (anotar diariamente líquidos ingeridos e expelidos).
- Análise de medicamentos na urina.

Se o médico precisar de mais informações serão pedidos:

- Teste urodinâmico.
- Cistocopia.
- Cistografia.
- Ultrassom pélvico.
O tratamento médico consiste de técnicas comportamentais, exercícios para a pélvis, estimulação elétrica, remédios, terapias de intervenção até cirurgias.
A incontinência urinária não é sempre evitável, porém para diminuir o risco, mantenha um peso saudável, pratique exercícios pélvicos, evite alimentos que irritem a pélvis e coma mais fibras.
Manter a saúde é muito importante.

Para mais informações procure o seu médico.


Alimentos que provocam alergia também curam:


Recentemente foi descoberto que é vantajoso expor crianças à alimentos alergênicos.
No último século os pais eram aconselhados a evitar,   alimentar seus filhos com esses produtos.
A maior parte dos adultos de hoje não usava amendoins, ovos, peixes e outros alimentos considerados alergênicos até completarem 1 ano de idade ( em alguns casos até completar 3 anos).
Em 2008 a Academia Americana de Pediatria mudou as suas diretrizes, chegando a conclusão que não existiam evidências de que atrasar a introdução de certas comidas trazia benefícios.
Esse estudo acabou deixando os pais confusos em relação a idade ideal para introduzir esses alimentos aos seus filhos.
Em 2013 a Academia Americana de Alergia acabou com a confusão disponibilizando informações mais específicas.
Agora existem boas evidências que o consumo de alimentos alergênicos por crianças com menos de um ano de idade pode reduzir o risco de alergias.
O estudo introduziu esses alimentos a 150 crianças e os resultados foram surpreendentes.
Os bebes que se alimentaram de ovos com 4 a 6 meses de idade tiveram menos propensão a desenvolver alergia a ovo.
Bebes com 4 a 11 meses de idade que eram alimentados com manteiga de amendoim também se tornaram mais resistente ao amendoim.
A pesquisa também aponta que o consumo de alimentos com glúten não afetam o bebe de forma negativa.
Chegamos a conclusão que demorar a dar alimentos alergênicos para crianças pode ser perigoso, enquanto a introdução de certos alimentos desde o começo pode ser benéfico.
Os médicos precisam informar para as grávidas ou as que acabaram de dar a luz, que evitar alimentos alergênicos esta ultrapassado.
A nutrição infantil ainda esta evoluindo, portanto pode existir confusão entre os pais sobre quando introduzir determinados alimentos para seus filhos.

Para entender mais sobre os alimentos para seu filho consulte o pediatra.


Fonte: thedoctorwillseeyounow

Codeína e crianças: Uma mistura perigosa.


É muito fácil uma criança ter overdose de codeína.
Pais que veem seus filhos sofrendo de febre, gripe e tosses fazem o que podem para acabar com aquele sofrimento logo.
Porém existem limites que não devem ser cruzados.
Um novo estudo da American Academy of Pediatrics, “Codeína: Hora de dizer não.”, avisa os perigos do uso de codeína por crianças.
O artigo não afirma que médicos não devem receitar codeína para crianças, mas explica que crianças e codeína não combinam.
A codeína é um remédio incomum que tem resultados imprevisíveis, algumas vezes fatais.
Uma dose de codeína é essencialmente uma dose de morfina com força desconhecida.
A codeína é convertida em parte em morfina por uma enzima chamada CYP2D6. Essa conversão varia entre pessoas. Isso faz da codeína uma droga perigosa para crianças, porque pequenas diferenças nas doses podem resultar em grandes efeitos variados. Especialmente considerando que os pais cometem erros ao dosar medicamentos que dão para seus filhos.
Isso significa que os médicos podem se sentir mais confortáveis em receitar medicamentos mais fortes como oxycodona para tratamento de dores severas em crianças.
Crianças que convertem codeína em morfina em seus organismos podem sofrer rapidamente de diminuição na taxa respiratória e até ter uma parada respiratória resultando em morte.
Em 2013, a FDA (food and drug administration) adicionou a tarja preta nos remédios que contem codeína.
Nesse mesmo ano a associação de saúde canadense recomendou que crianças menores de 12 anos não ingerissem remédios a base de codeína.
Desde 2015 a agencia européia de médicos também recomendou que crianças menores de 12 anos não tomassem remédios com codeína além de pessoas com até 18 anos com problemas respiratórios e mulheres que estão amamentando.
O risco de overdose aumenta após cirurgia de remoção de amídalas e adenoides em crianças com apneia do sono.
Os médicos geralmente confiam em acetaminofeno, ibuprofeno e aspirina para tratamento de dor em crianças. A necessidade de um remédio mais forte é rara, porém quando for preciso, a codeína não deve ser usada.
A codeína é muito imprevisível.

Para mais informações procure o seu médico.

Fonte: www.thedoctorwillseeyounow.com

Você sabe o que é intolerância à lactose?


Indivíduos com intolerância à lactose são incapazes de digerir o açúcar (lactose) no leite.
Após comerem ou beberem produtos lácteos desenvolvem diarreia, gases e distensão abdominal.
A má absorção à lactose não é perigosa porém pode apresentar sintomas desconfortáveis.
A deficiência de lactase (uma enzima produzida no intestino delgado) é geralmente responsável pela intolerância à lactose.
A maior parte das pessoas com essa condição conseguem administrar a intolerância sem precisar abandonar os alimentos lácteos.

Sintomas:

Sinais e sintomas de intolerância à lactose geralmente aparecem após 30 minutos a 2 horas depois de comer ou beber produtos que contem lactose. Entre eles estão:
- Diarreia.
- Náusea.
- Dores abdominais.
- Distensão abdominal.
- Gases.
É recomendado que seja marcada uma consulta com o médico se esses sintomas sejam sentidos com frequência. A falta de cálcio no organismo também deve ser abordada na conversa.

Causas:

A intolerância à lactose ocorre quando o organismo não produz quantidades suficientes de lactase para digerir a lactose.
Normalmente a lactase transforma o açúcar do leite (lactose) em dois tipos simples de açúcar, glucose e galactose.
Se falta lactase no organismo, a lactose vai direto para o cólon ao invés de ser processada e absorvida. No cólon a lactose não digerida interage com bactérias causando os sintomas de intolerância.
Existem três tipos de intolerância à lactose.

Intolerância à lactose primária:

Essa é a forma mais comum de intolerância à lactose. Pessoas que desenvolvem esse tipo de intolerância começam a vida produzindo a quantidade normal de lactase. Quando o desmame acontece as taxas de produção diminuem gerando a intolerância.
A intolerância primária tem origem genética.

Intolerância à lactose secundária:

Essa forma de intolerância ocorre quando o intestino delgado diminui a produção de lactase depois de alguma doença, lesão ou cirurgia no mesmo.
Tratamento médico pode reverter essa condição.

Intolerância à lactose congênita:

É possível, porém muito raro, que bebês nasçam com intolerância à lactose causada por falta completa de produção de lactase.
Essa desordem passa de geração para geração em um padrão de herança chamado de autossômica recessiva (pai e mãe passam a mesma variante de gene para o filho).
Bebês pré-maturos também podem sofrer desse tipo de intolerância.

Fatores de risco:

- Idade. A intolerância à lactose geralmente ocorre em adultos sendo incomum em crianças e bebês.
- Etnia. A intolerância à lactose é mais comum em africanos, asiáticos, hispânicos e descendentes de índios americanos.
- Nascimento prematuro. O nascimento prematuro faz com que a criança tenha níveis de produção de lactase reduzidos.
- Doenças que afetam o intestino delgado. Problemas no intestino delgado podem causar intolerância a lactose, crescimento bacteriano, doença celíaca e doença de Crohn.
- Alguns tratamentos de câncer. A radioterapia no abdômen e complicações intestinais causadas pela quimioterapia pode gerar intolerância à lactose.
Para diagnosticar a intolerância à lactose o médico pode pedir o teste de tolerância à lactose, teste de respiração de hidrogênio e teste de acides de fezes.

Tratamento:

Não existem formas de aumentar a produção de lactase no organismo, porém existem formas de evitar o desconforto causado pela intolerância. São eles:
- Evitar grandes quantidades de produtos lácteos.
- Inserir pequenas quantidades de produtos lácteos na dieta.
- Consumir sorvete e leite com lactose reduzida.
- Beber leite após adicionar líquidos ou soluções que quebram a lactose.
A falta de cálcio por não consumir produtos lácteos pode ser resolvida ingerindo outros alimentos como:
- Brócolis.
- Salmão enlatado.
- Leite de soja e leite de arroz.
- Laranja.
- Espinafre.
- Feijão.
- Ruibarbo.
- Produtos enriquecidos com cálcio.
A intolerância à lactose pode ser difícil porém não é grave.

Para mais informações procure o seu médico.

Você sabe se a cor da sua urina está normal?



A cor normal da urina varia de amarelo claro a laranja escuro. As cores são resultado de um pigmento chamado de urocromo e o quão diluída ou concentrada a urina se encontra.
Pigmentos e outros compostos encontrados em certos alimentos e remédios podem mudar a cor da urina. Beterraba, bagas e favas podem influenciar a cor. Muitos remédios dão a urina cores vibrantes como vermelho framboesa, amarelo limão e azul esverdeado.
A cor incomum da urina pode ser o indicador de diversas doenças.
Os pigmentos amarelos se diluem de acordo com a quantidade de água ingerida, portanto quanto mais água mais diluída e clara fica a urina.A desidratação severa pode deixar a urina laranja.

É recomendado visitar o médico quando:

- Há sangue visível na urina. O sangue na urina pode indicar infecção urinária e pedras no rim. O sangramento indolor pode indicar doenças mais sérias como o câncer.
- Urina escura ou laranja. O fígado pode estar com problemas se a urina se encontra escura ou laranja. Outros indicadores são: fezes claras e pele e olhos amarelados.

Causas de urina vermelha ou rosa:

- Sangue. Os causadores de sangue urinário são: infecções urinárias, aumento da próstata, tumores, cistos renais, correr longas distancias e pedras no rim e bexiga.
- Alimentos. Beterrabas, amoras silvestres e ruibarbo podem deixar a urina vermelha ou rosa.
- Remédios. Rifampicina (antibiótico para o tratamento de tuberculose) pode deixar a urina laranja avermelhada, assim como fenazopiridina e laxantes que contem senna. A sulfasalazina e alguns remédios para quimioterapia também afetam a cor da urina.

Causas de urina laranja:

Em alguns casos, a urina laranja pode indicar problemas no fígado ou ducto biliar. A desidratação também pode ser o motivo para a cor alaranjada.

Causas de urina azul ou verde:

- Corantes. Comidas com muitos corantes podem deixar a urina verde.
- Remédios. Amitriptilina, indometacina e propofol podem deixar a urina azul ou verde.
- Condição médica. A urina azul pode ser causada por hipercalcemia familiar benigna. A cor verde pode ser resultado de infecções urinárias causadas por bactérias pseudomonas.

Causas de urina marrom escura ou cor de coca-cola:

- Comida. Comer grandes quantidades de grãos de fava, ruibarbo e aloés pode deixar a urina marrom escura.
- Remédios. Muitos remédios podem escurecer a urina. Remédios contra a malária, antibióticos (Flagyl), laxantes contendo cascara ou senna e metocarbamol (relaxante muscular).
- Condições médicas. desordens no fígado e rim.
- Exercícios extremos. Lesões musculares e no rim podem resultar em urina rosa ou com cor de coca-cola.

Fatores de risco:

- Idade. Tumores na bexiga e no rim, mais comuns em homens velhos, podem causar sangue na urina. Homens com 50 anos ou mais apresentam sangue na urina devido ao aumento da próstata.
- Sexo. Mais da metade das mulheres apresentarão infecções urinárias em algum período da vida. Homens possuem maiores chances de apresentar pedras no rim.
- Histórico familiar. Pessoas com histórico familiar de doenças no rim tem mais chances de desenvolver a doença.
- Exercícios extremos. Corredores de longas distancias podem apresentar sangue na urina.
A analise da urina e o exame de sangue podem diagnosticar a condição do paciente.
O tratamento médico não foca na mudança da cor da urina, mas sim na condição subjacente.
É recomendado que se beba bastante líquidos para que o corpo se mantenha hidratado e saudável.

Para mais informações procure o seu médico.

Fonte: Mayo Clinic.