6.03.2010

Farmacêutico e a Saúde da Família


Atuação do Farmacêutico no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF)
A Atenção Básica (ou atenção primária) constitui a porta de entrada para se possuir acesso à rede pública de serviços de saúde. Por isso, demanda a criação de dispositivos que devem garantir a sua eficiência e eficácia, aprimorando a capacidade de atender com qualidade as necessidades de saúde da população.

Para alcançar este objetivo o Ministério da Saúde (MS) adotou a Estratégia de Saúde da Família (ESF) como uma forma de reorientar a organização da Atenção Básica. Isto se justifica pelo fato de que a gestão integral do cuidado torna-se mais factível quando a atenção está centrada na família e nas características singulares do território em que a mesma está inserida, pois o contexto cultural, social e geográfico que permeia as relações familiares é determinante para a elaboração das ações de produção de saúde. As equipes da ESF matém uma maior proximidade com o usuário dos serviços de saúde e com sua família, acenando com melhores possibilidades de acompanhamento qualificado e de continuidade da atenção.

O Núcleo de Apoio à Saúde (NASF) é um dispositivo elaborado pelo MS e norteado pela Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. O objetivo é ampliar o acesso da população brasileira aos serviços de saúde por meio do fortalecimento da Estratégia de Saúde da Família e consequentemente da Atenção Básica. As equipes NASF trabalham em parceria com as equipes de saúde da família no intuito de contribuir com o processo de territorialização e de regionalização, que orienta as ações desenvolvidas pela ESF. Cada NASF é uma equipe multiprofissional que atua por meio de uma proposta de interdisplinaridade, apoiando as equipes de saúde em ações individuais e em intervenções de caráter coletivo no âmbito do território.

O NASF deve articular-se com as equipes de saúde da família, com a comunidade, com outros equipamentos e serviços loco-regionais de saúde, educação, cultura e assitência social, agenciando ações intersetoriais que melhorem a vida da população. Como equipe de apoio à ESF, o NASF reafirma que somente será efetiva a intervenção que possua como alicerce o compartilhamento de responsabilidades, razão pela qual esta equipe somente, isolada das equipes de saúde da família, não constitui porta de entrada no sistema, pois apresenta a missão de acompanhar o movimento dos trabalhadores de saúde da família que cobrem as áreas de um determinado território. Portanto, as equipes NASF automaticamente assumem o desafio de não enquadrar o seu funcionamento na lógica ambulatorial de transferência de responsabilidades.

As ações do NASF estão fundamentadas em oito áreas estratégicas: atividade física/práticas corporais (com ênfase para a medicina tradicional chinesa), práticas integrativas e complementares (com destaque para a acupuntura e a homeopatia), reabilitação, alimentação e nutrição, saúde mental, assistência social, saúde da criança, do adolescente e do jovem, saúde da mulher e assistência farmacêutica.

São atividades do NASF:

Participação em reuniões das equipes de saúde de família;
Discussão de casos clínicos;
Atendimentos individuais e coletivos na Unidade Básica de Saúde (UBS) ou em domicílio;
Elaboração e realização de grupos de educação em saúde na Unidade ou em espaços públicos do território (escolas, igrejas, clubes, associação de moradores etc.);
Educação permanente para os membros das equipes de saúde da família;
Formulação de ações intersetoriais com outros equipamentos e serviços de atenção à saúde;
Apoio institucional para a organização e o funcionamento interno da Unidade de Saúde da Família;
Reuniões e palestras para a comunidade.
O profissional farmacêutico, na perspectiva do NASF, atua realizando intervenções diversas (individuais ou coletivas) para orientação quanto ao uso correto dos medicamentos, à prevenção e ao tratamento da dependência química, à utilização de plantas medicinais, à viabilização da dispensação de medicamentos de alto custo e outras ações específicas da sua formação de base, bem como intervenções que dizem respeito a qualquer profissional de saúde, independentemente do seu núcleo de saber, de acordo com os princípios da clínica ampliada e da saúde coletiva.

O contato direto com os usuários de saúde das comunidades e a possibilidade de assumir funções de coordenação das atividades inerentes à saúde da família representam um horizonte bastante promissor para o farmacêutico, criando novos espaços para a explicitar o potencial deste profissional, alavancando o seu reconhecimento social e ensejando níveis de remuneração compatíveis com a importância estratégica deste profissional no cenário da saúde.

Por Luiz Fernando Lopes

Um comentário:

Ministério da saúde disse...

Olá blogueiro!
O número de pessoas com hipertensão no Brasil aumentou de 21,5%, em 2006, para 24,4%, em 2009. A hipertensão é uma doença silenciosa e ataca todas as faixas etárias. Por isso, junte-se à campanha de combate e controle da hipertensão do Ministério da Saúde. Você pode ajudar na conscientização da população por meio do material de campanha que disponibilizamos para download.
Caso se interesse, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br
Obrigado!
Ministério da Saúde