5.18.2011

Medicamento (Valdoxan) que regula relógio biológico é eficaz contra depressão

Um remédio que imita a ação do hormônio do sono é eficaz contra depressão, diz revisão de estudos publicada hoje no periódico "Lancet".
A substância testada foi a agomelatina, que, por ser similar à melatonina ""hormônio que atua à noite"" ajuda a regular o relógio biológico.
Segundo os autores do estudo, pesquisadores das universidades de Sydney e Central Queensland, Austrália, existe uma relação direta entre depressão e desequilíbrio dos ritmos biológicos, marcados pelo horário e pela duração do sono e da vigília.
Uma mudança no relógio biológico pode resultar em alterações metabólicas.
Cerca de 80% das pessoas que têm depressão sofrem de alguma alteração no sono. O inverso também vale: insones têm maior chance de ter transtornos de humor.
"Até pouco tempo, pensava-se que os distúrbios do sono eram um sintoma da depressão. Hoje, sabemos que eles podem levar ao desenvolvimento da doença", 



ANTIDEPRESSIVO
A melatonina sozinha, vendida em cápsulas no exterior e pela internet, não é um antidepressivo. A agomelatina, além ser similar ao hormônio, age no neurotransmissor serotonina, como outros antidepressivos.
De acordo com os pesquisadores, que revisaram 105 trabalhos sobre o tema, a droga é tão eficaz quanto os antidepressivos tradicionais, com a vantagem de não ter os mesmos efeitos colaterais (não causa perda de libido ou irritações gastrointestinais).
A longo prazo, os pacientes têm a metade das recaídas em relação ao grupo-controle, dizem os autores do estudo, que declararam ser patrocinados pela Servier, fabricante do Valdoxan, droga à base de agomelatina.
O remédio é vendido no Brasil por, em média, R$ 200.
"É uma nova classe de medicamentos, eficaz e com ação mais localizada. Por isso, tem menos efeitos colaterais", diz José Alberto Del Porto, psiquiatra da Unifesp.
Ele afirma que receita a droga para pacientes depressivos com alterações no sono e para os que não toleram os efeitos colaterais dos outros antidepressivos.
O neurologista John Araujo, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, diz que a droga pode causar tontura e boca seca. "É cedo para receitá-la em larga escala. É preciso fazer mais estudos."
Folha

Valdoxan – agomelatina : um novo antidepressivo com ação na melatonina

Foi recentemente aprovado pela ANVISA no Brasil o uso do Valdoxan, a agomelatina, um novo medicamento antidepressivo com ação em receptores de melatonina. A agomelatina estava sendo esperada pela comunidade médica pois o seu perfil de eficácia e tolerabilidade é bastante bom. É o primeiro antidepressivo com ação diferente dos neurotransmissores clássicos como a serotonina, dopamina e noradrenalina.
Segundo a EMEA, agëncia regulatória de medicamentos na Europa, a agomelatina representa uma significante inovação no tratamento da depressão. Em estudos comparativos a agomelatina foi superior à venlafaxina no tratamento da depressão, além de ser melhor tolerada.
A agomelatina é um dos antidepressivos com menor índice de cefaleia, dor de cabeça como efeito colateral. Devido ao grande número de evidencias que ligam o sistema de melatonina com a enxaqueca, o potencial de uso da agomelatina no tratamento preventivo da enxaqueca e outras cefaleias é bastante esperado, novas pesquisas informarão detalhes sobre o assunto.
O valdoxan foi lançado em comprimidos de 25 mg, podendo ser ajustada a dose para 50 mg.
Espera-se que com a agomelatina o arsenal terapëutico medicamentoso da depressão seja aumentado, com um medicamento que possa agir fora do sistema serotoninérgico, dopaminérgico ou adrenérgico, como são os antidepressivos atualmente. O clássico antidepressivo Prozac, a fluoxetina, por exemplo age como um inibidor da recaptação de serotonina, melhorando a função da serotonina no cérebro. A agomelatina agindo na melatonina abre uma outra opção de tratamento para depressão.

16 comentários:

Anônimo disse...

Uso valdoxan há mais de um ano e me ajudou muito a recuperar o meu sono e equilibrio.

Anônimo disse...

To com mta tontura... Parei de tomar a duas noites e nao passa...

Antonio Brandão disse...

Os efeitos colaterais deverão ser relatados ao médico que prescreveu a medicação.Não a automedicação.

Vanderlei Pinheiro disse...

Quanto tempo para o Valdoxan dar um pouco de ânimo?

Debora Marques disse...

Ola tem três noites que estou tomando e nesses dias não sinto sono...

Debora Marques disse...

Tomando o valdoxan... De dia uma leseira mas tb não da um sono p dormir e a noite piora...

Debora Marques disse...

Tomando o valdoxan... De dia uma leseira mas tb não da um sono p dormir e a noite piora...

Debora Marques disse...

Ola tem três noites que estou tomando e nesses dias não sinto sono...

Anônimo disse...

O remédio está me fazendo muito bem. Estou com humor estabilizado, e dormindo bem. Como todo anti- depressivo demora para começar a fazer efeito. De 10 a 15 dias. Comecei a sentir os efeitos no 12 dia. Graças a Deus não tive efeitos colaterais, exceto uma ligeira prisão de ventre que observei, mas aumentei fibras e água e se normalizou. É a primeira vez que preciso tomar ese tipo de medicação e me sinto bem, o que antes não estava acontecendo

Anônimo disse...

Tomo o Valdoxan há 18 meses. Comecei com 25 mg e depois de seis meses, afetado emocionalmente com um problema mais sério na família, fui para 50 mg. Dormia muito mal por mais de 15 anos e achei que jamais dormiria uma noite inteira novamente. No entanto, hoje durmo uma noite inteira. Fiz o tratamento associado ao Stilnox 6,25 mg (indutor de sono) e já estou dormindo bem sem o indutor, bem como experimento de maior bem estar e melhor humor. Melhorou muito a minha vida, sobretudo a social. Em breve deverei iniciar o desmame do Valdoxan. Avalio que os medicamentos me ajudaram muito, mas mudei também o meu estilo de vida, reduzindo as situações de estresse, procurando fazer atividades físicas (corrida), cuidando da preparação para o sono (higiene do sono) e fazendo terapia (psicanálise). Esta é indispensável. No começo foi muito difícil, parecia que jamais me sentiria bem como me sinto hoje, mas insisti no tratamento e desfruto dos seus benefícios. Os melhores momentos do tratamento começaram com sete a oito meses. É muito importante pensar no conjunto de medidas que nos são exigidas para nos recuperarmos da insonia e da depressão maior ou ansiedade, pois os remédios não resolverão tudo, eles nos ajudarão a mudar os nosso hábitos que nos levaram a onde estamos (eu, estava). Vale muito a pena procurar a cura porque muitas pessoas que vivem ao nosso lado, além de nós mesmos, sofrem com o nosso problema e quando o resolvemos transformamos a vida de todos para melhor. Coragem, paciência, empenhos e boa sorte, é o que desejo a todos que estão procurando viver melhor ao lado das pessoas que ama. É possível a recuperação, eu vivo bem melhor agora.

Antonio Celso da Costa Brandão Brandão disse...

Parabéns pelos depoimentos, mas lembrando sempre, que qualquer mudança de dosagem tem que ser acompanhada e avaliada por um médico especialista.

EDNA OLIVEIRA disse...

Será que se eu manipular eu consigo por um preço mais baixo. Ou melhor, é possível mandar manipular? Grata

Antonio Celso da Costa Brandão Brandão disse...

Desconheço se é possivel manipular este medicamento aqui no Brasil.
O que é o Valdoxan?
O Valdoxan é um medicamento que contém a substância activa agomelatina. Encontra-se disponível
sob a forma de comprimidos oblongos de cor amarela alaranjada (25 mg).
Para que é utilizado o Valdoxan?
O Valdoxan é utilizado no tratamento de depressão major em adultos. A depressão major é uma
patologia na qual os doentes apresentam distúrbios de humor que interferem com a sua vida
quotidiana. Os sintomas incluem frequentemente uma tristeza profunda, sentimentos de falta de valor,
perda de interesse nas actividades favoritas, distúrbios do sono, a sensação de abrandamento,
ansiedade e alterações do peso.
O medicamento só pode ser obtido mediante receita médica.
Como se utiliza o Valdoxan?
A dose recomendada de Valdoxan é um comprimido uma vez por dia, ao deitar, com ou sem
alimentos. Caso não se observem benefícios nos sintomas no espaço de duas semanas, o médico pode
aumentar a dose para dois comprimidos tomados ao mesmo tempo, ao deitar. Os doentes com
depressão devem ser tratados durante pelo menos seis meses, para assegurar que estão livres de
sintomas.
O fígado dos doentes deve ser monitorizado com análises ao sangue, no início do tratamento e após
cerca de seis, 12 e 24 semanas de tratamento. O fígado deve igualmente ser examinado caso o doente
apresente sintomas que possam indicar problemas nesse órgão. O tratamento deve ser interrompido
nos doentes com níveis anormais de enzimas hepáticas no sangue. As análises ao sangue devem ser
repetidas até que os níveis das enzimas hepáticas tenham regressado à normalidade.
Dado que o benefício do Valdoxan não foi claramente demonstrado em doentes com idade superior a
65 anos, este deve ser utilizado com precaução neste grupo etário. Deve também ser utilizado com
precaução em doentes com problemas moderados ou graves nos rins. Não deve ser utilizado em
doentes com problemas no fígado.

Anônimo disse...

Alguém engordou tomando Valdoxan?

Unknown disse...

Bom dia!! Gostaria muito de saber se existe um prazo p se terminar com o tratamento desse remédio, pois meu marido se dá muito bem com ele mas sente medo de usá-lo por muito tempo.

Unknown disse...

Gostaria de saber se valdoxan ajuda no equilíbrio da amciancie? Tomo ele a 4 meses é esse mês estou tomando 0 de 50mg