7.27.2010

Baço: Esplenomegalia, Hiperesplenismo e Esplenectomia


Preserve seu baço
Considerado por muita gente um órgão “classe B”, sem nenhuma função importante, o baço está ganhando destaque nos meios científicos. Segundo um novo estudo, ele é muito mais do que um coadjuvante e pode oferecer uma ajuda vital, sim, em casos de ferimentos profundos e até infartos. Quem assina embaixo é um grupo de pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts e da Faculdade de Medicina Harvard, nos Estados Unidos. Eles notaram que no caso de um ataque cardíaco, por exemplo, o baço envia imediatamente células que ajudam a reparar os tecidos lesionados, o que minimiza as sequelas. É bem verdade que isso foi observado em ratos... A expectativa, porém, é que os resultados sejam semelhantes em seres humanos.

Com cerca de 13 centímetros — ou, mais ou menos, o tamanho da sua mão —, o baço pode ser comparado a uma esponja, que suga muitos invasores nocivos e não os deixa sair. Seus vasos são tão estreitos que qualquer hóspede estranho é facilmente reconhecido e, claro, combatido. Ele retém, ainda, células mortas ou doentes que estejam perambulando na circulação sanguínea. É como um filtro que faz um serviço de controle de qualidade: o sangue passa por seus vasos, repleto de glóbulos vermelhos jovens e velhos, e o baço seleciona, prende e destrói aqueles que não têm mais utilidade.

Aliás, por ser uma esponja sempre carregada de muito sangue, o baço às vezes é fundamental para manter o volume adequado de líquido em nossas veias e artérias. “Quando sofremos uma hemorragia, esse órgão se contrai para bombear depressa sangue para os vasos, restabelecendo o equilíbrio”, descreve a hematologista Denise Dourado, do Hospital do Coração, em São Paulo.

Ele é também um reservatório de monócitos. Antes que o termo cause algum desconforto, aí vai uma explicação rápida: monócitos são glóbulos brancos que ficam nesse órgão, quietinhos, sendo prontamente enviados para a corrente sanguínea quando as nossas defesas precisam de uma ajuda extra. “Existe uma enorme quantidade dessas células ali, mas elas só agem quando o organismo enfrenta alguma emergência”, explica Denise Dourado.

Apesar de ter tanta relevância para as nossas defesas, o baço é um órgão dos mais frágeis e pode sair danificado até com uma simples pancada. E daí os médicos, às vezes, não encontram outra saída: “Uma batida forte pode provocar uma ruptura e, com ela, uma hemorragia interna grave. Para resolver, em casos assim, nós precisamos remover o órgão”, lamenta informar Paulo Augusto Silveira, hematologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Há também doenças hematológicas que exigem o mesmo procedimento radical — de anemias severas e hereditárias a linfomas, passando por cistos no órgão. Quando surgem, o pequeno e discreto baço pode aumentar até dez vezes de tamanho, a ponto de saltar aos olhos de quem observa o abdômen. E é fácil entender: um baço crescido assim consegue reter muito mais sangue. Mas, aí, não guarda para si apenas os glóbulos sanguíneos velhos ou doentes, que precisariam ser descartados. Passa a sequestrar também células de sangue jovens e saudáveis. É o que os médicos chamam de hiperesplenismo. “No entanto, mesmo em episódios assim, o indivíduo só deve optar por retirar o baço em último caso, depois de tentar um tratamento com remédios”, salienta o hematologista Marcello Augusto Cesar, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Quando a operação é inevitável, a má notícia para os “sem-baço” é que, segundo estudos clássicos, tende a viver mais quem tem a sorte de preservar o órgão intacto. “É claro que dá para viver sem ele, até porque outros órgãos, como o fígado, assumirão suas funções”, diz Marcello Cesar. “Só que inevitavelmente o sistema imunológico ficará mais debilitado e, cientes disso, precisamos acompanhar bem esses pacientes, reforçando, por exemplo, sua vacinação.” Hoje, ninguém mais acha que o baço pode ser dispensado assim, sem mais nem menos.

Os antigos gregos associavam pessoas com problemas de baço ao sentimento de tédio e até ao mau humor. Hoje se sabe que o verdadeiro problema desses indivíduos é outro: seu corpo é mais indefeso e precisa de cuidados, como uma vacinação sempre em dia

SEMPRE ÀS ORDENS
Encontradas aos montes no interior do baço, as células de defesa chamadas monócitos ficam armazenadas o tempo que for necessário, só à espera de um chamado. Originárias da medula óssea ou da polpa branca do próprio baço (sim, o órgão também produz células defensoras), elas são encarregadas tanto do reconhecimento de micro-organismos estranhos quanto da retenção de células mortas ou doentes.

A ORIGEM DO NOME
Tudo começou com a palavra grega “splen”, adotada pelo pai da medicina, Hipócrates (460 a.C.–377 a.C), associada a pessoas com mau humor ou irritabilidade. É dela que derivam todos os termos médicos relacionados a esse órgão, como esplenomegalia — um crescimento anormal que pode ser causado por infecções ou doenças que atacam o coração — e esplenectomia, a retirada do baço, que os médicos só fazem quando não há outra saída. Em português, o órgão ganhou o nome de baço por causa do termo latim “badiu”, que significa castanho ou avermelhado — a sua coloração.

DE QUEM É A CULPA?
É possível que você, alguma vez na vida, especialmente durante uma atividade física mais exagerada, tenha sentido uma fisgada forte no lado esquerdo da barriga — e alguns chamam essa sensação nada agradável de dor de baço. Mas calma, porque há dores e dores. Se a sua vem do lado esquerdo, mas logo acima do umbigo, a vítima é o estômago, que, por coincidência ou não, resolveu reclamar na hora do exercício. Será que a dor é um pouco mais acima? Então aposte no diafragma, músculo que pode arder se a respiração ficar ofegante. Agora, se o incômodo for bem lateral mesmo, aí é uma dor de baço legítima, provocada pelo esforço tremendo do órgão para mandar sangue para os músculos durante a atividade física.
Saúde Abril

Esplenomegalia, Hiperesplenismo e Esplenectomia

Dr. Stéfano Gonçalves Jorge

INTRODUÇÃO

A esplenomegalia, também denominada megalosplenia, consiste no aumento do volume do baço (que em grego chama-se splenikós, em latim splenicu), que normalmente pesa 150 g e tem até 11 cm de comprimento em seu maior eixo. A esplenomegalia pode ser causada por diversos motivos.

Principais causas de esplenomegalia

Hipertrofia do baço por estímulo a resposta imune devido à infecção, como na endocardite bacteriana subaguda ou na mononucleose

Hipertrofia por aumento na destruição de eritrócitos como na esferocitose hereditária ou talassemia maior

Doença mieloproliferativa

Doença infiltrativa, como a sarcoidose e alguns tipos de câncer

Cânceres como linfoma e leucemia linfocítica crônica

Aumento na pressão venosa, como na cirrose, na esquistossomose, no câncer de pâncreas (que pode levar a trombose da veia esplênica) e na insuficiência cardíaca congestiva

Doenças de depósito, como a doença de Gaucher e a amiloidose

A esplenomegalia normalmente é diagnosticada no exame físico, através de palpação ou percussão, ou através de ultra-sonografia (ecografia). Deve-se diferenciar a esplenomegalia da presença de baço acessório, uma variação anatômica que ocorre em 10 a 30% da população normal e não tem qualquer significado patológico.

Nesse texto, abordaremos apenas o hiperesplenismo relacionado à doenças do fígado, especificamente o causado pela hipertensão portal.

HIPERESPLENISMO

O baço é um órgão "esponjoso", repleto de vasos sanguíneos, pois é responsável pela produção, armazenamento, controle ("de qualidade") e destruição de células do sangue. Com o aumento da resistência à passagem do sangue através do fígado (pela cirrose, esquistossomose e outras condições), aumenta a pressão sangüínea dentro do sistema porta hepático (hipertensão portal).


Devido à sua característica esponjosa, o aumento na pressão da veia esplênica faz com que o baço "inche". Com isso, o baço "sequestra" e acaba destruindo em um ritmo acelerado todos os tipos de células sangüíneas, levando à condição denominada "hiperesplenismo".


Secção transversa do baço, mostrando a distribuição da artéria esplênica e seus ramos.
No hiperesplenismo, a anemia (redução das células vermelhas - eritrócitos), a leucopenia (redução nos glóbulos brancos - leucócitos) e a plaquetopenia (redução nas plaquetas) podem estar todas presentes, ou não. Geralmente observa-se uma redução mais acentuada nas plaquetas do que nas demais, mas em parte a plaquetopenia também ocorre por outras condições associadas a hipertensão portal (coagulação intravascular disseminada), destruição por mecanismo imunológico (observada na hepatite C, por exemplo) e por deficiência de ácido fólico.

TRATAMENTO

Geralmente, não é necessário qualquer tratamento específico na esplenomegalia devido a hipertensão portal. A esplenomegalia dificilmente é dolorosa, a não ser em casos agudos, ou severa como em outras condições como a Doença de Gaucher. O hiperesplenismo geralmente não é tão intenso a ponto de causar sintomas, mas pode ser preocupante em algumas situações, como na plaquetopenia e leucopenia severas causadas pela associação de hiperesplenismo e interferon para o tratamento da hepatite C, por exemplo. Mesmo nessas situações, é mais recomendado reduzir a medicação do que tratar a esplenomegalia.

Na hipertensão porta causada pela esquistossomose mansônica ou em casos (muito selecionados) de cirrose hepática (com predomínio de hipertensão portal, boa função hepática, sem previsão de necessidade de transplante nos próximos 3 anos e com hemorragias digestivas por varizes esofágicas de difícil controle), uma opção de tratamento é a realização de um shunt ("desvio") da veia porta para a veia cava, sendo que uma das técnicas cirúrgicas mais utilizadas é a cirurgia de Warren (derivação espleno-renal distal com esplenectomia).


Retirada do baço (esplenectomia) por via laparoscópica (Brown Medical School)

Em situações onde for recomendada a retirada do baço, o mesmo pode ser retirado cirurgicamente com baixo risco (exceto em portadores de doenças graves) por laparotomia (onde é feito uma incisão única maior) ou por laparoscopia (onde são realizados pequenos orifícios e a cirurgia é feita com o auxílio de câmera).

CUIDADOS PÓS ESPLENECTOMIA

Após a retirada do baço, no entanto, alguns cuidados devem ser tomados. A capacidade de defesa do organismo para alguns tipos de microorganismos estará reduzida, com risco de infecções sérias (principalmente por pneumococos, meningococos e H influenzae) até que o organismo consiga recuperar adequadamente o sistema imunológico. Assim, recomenda-se a aplicação (entre 2 semanas antes e 2 semanas após a cirurgia) de vacina polivalente contra pneumococos e vacina conjugada para H influenzae tipo B e meningococo tipo C. A vacina para pneumococos deve ser repetida a cada 5 anos (ou em intervalos menores em portadores de anemia falciforme ou doenças linfoproliferativas).
A infecção grave por pneumococos (acima, em microscopia eletrônica) é uma das principais preocupações após a esplenectomia.
Para reduzir o risco de infecções, também recomenda-se o uso contínuo de antibióticos em baixas doses (por toda a vida). Como a aderência ao tratamento geralmente é baixa, uma opção, apesar de não ideal, utilizada na prática é a aplicação de penicilina benzatina a cada 3 semanas.

2 comentários:

Ministério disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.